Você está aqui
Home > Fatos e Relatos > Costa Mediterranea: Entrando em problemas (Passageira)

Costa Mediterranea: Entrando em problemas (Passageira)




Costa Mediterranea - Savona
Costa Mediterranea no porto de Savona
Eu não fazia ideia, mas este seria um dos cruzeiros mais loucos e inesquecíveis de toda a minha vida a bordo. Era um cruzeiro longo (14 dias), navio lotado, novo horário, e lugares incríveis para conhecer.
Katakolon - Grécia
Katakolon – Grécia


Após um dia de at sea, chegamos à Katakolon, na Grécia; pequena cidade
, porém um lugar muito bonito e tranquilo, desci novamente sozinho para comer algo e entrar em contato com a família, já que no dia seguinte estaríamos em Mykonos e eu tinha “PM” de novo. Nesse meio tempo, eu já fazia alguns amigos a bordo e me sentia mais a vontade. A Débora e o Christian me ajudaram muito nisso.

Izmir - Turquia
Rua de Izmir, Turquia
Passada a dor de não poder descer em Mykonos, chegamos na Turquia, país pelo qual eu me apaixonaria eternamente. Estávamos em Izmir, lugar parado, sem nada pra fazer ou visitar por perto, mas me encantou pelo estilo diferente das outras cidades que havíamos passado, novamente sozinho, saí para comer algo, conhecer os arredores do porto e tirar umas fotos, assim que conseguisse fugir dos vendedores que ficam na frente do porto, pois eles são insuportavelmente insistentes. 



O melhor de todos os dias estava por vir, estaríamos em ISTAMBUL! Eu não sabia o que faria, ou pra onde iria, comecei a trabalhar cedo e quando vi, estávamos entrando em um estreito canal por onde passava o Black Sea (mar negro) e começava uma exposição a céu aberto de lindas e imponentes mesquitas. Atracamos e após uma hora eu já estava livre para sair, esbarrei com o Christian que também tinha tempo para sair e conhecia a cidade, foi a primeira vez que saí com a companhia de alguém desde que estava a bordo.
Istambul - Mesquita Azul
A espetacular Blue Mosque (Mesquita Azul)


Foi um dos melhores dias da minha vida! Istambul era completamente
diferente de tudo que já tinha visto, uma mistura de cores, idiomas, artes, religiões… Eu simplesmente me apaixonei pela cidade, fizemos todo o trajeto andando, em um momento, pensamos em pegar táxi, mas foi absurdo o valor cobrado e não aceitamos. A Mesquita Azul é um must e Istambul merece um post dedicado, pois poderia escrever páginas e páginas para falar da cidade. 

Já deu uma olhadinha no Costa Mediterranea: Parte I?

Próximo à Ponte de Gálata e Mesquita Yeni
Próximo à Ponte de Gálata e Mesquita Yeni

 

Movimentação do Grand Bazar, famoso mercado em Istambul
Movimentação do Grand Bazar, famoso mercado em Istambul




Christian, amigo peruano que já conhecia Istambul
Christian, amigo peruano que já conhecia Istambul

 

Istambul - Mesquita Azul
Istambul – Mesquita Azul

Após esse dia, achei que nada mais nesse cruzeiro me surpreenderia tanto, eu poderia trabalhar por muitas horas seguidas graças à energia adquirida em um dia. Eu ainda não sabia o que era ir ao Crew Bar, e quando pensei que seria a hora de ir, algo de diferente aconteceu. Durante o café da manhã, notei que uma passageira me olhava enquanto trabalhava; com a desculpa de que ia pegar algo, ela veio até a linha do Buffet em que eu estava e perguntou algo, nós conversamos rapidamente e ela se foi, a única coisa que sabia é que era espanhola. À noite, quase acabando o meu horário e pronto para descansar ou ir ao Crew Bar pela primeira vez, ela apareceu no Buffet com uma amiga. Parou, e conversamos por uns minutos, não lembro como, mas ficou entendido que ela me esperaria no Deck 10.

Todo tripulante sabe que é estritamente proibido qualquer tipo de relacionamento com o hóspede, que não seja relacionado ao trabalho. Mas é claro, todo tripulante (ou quase todos) esquece essa regra. Subi ao Deck 10, e ela me esperava, conversamos por cerca de uma hora, e parecia que a história de “um amor a cada porto/cruzeiro” começaria ali, um pouco cedo, mas parecia. Ainda faltavam cinco dias para o cruzeiro acabar e o deck 11 acabou se tornando o nosso “meeting point“. Abusamos da sorte, ao sermos vistos pelo irmão dela, que não viu que se tratava de um tripulante, meu supervisor Yogesh me viu passando com ela após o trabalho, rumo ao Deck e disse “I didn’t see anything”, dei sorte, pois outros supervisores teriam dito aos “securities”. Mas antes que o cruzeiro terminasse a sorte não foi tão grande. Em uma das noites, havíamos mudado do deck 11 para o 10, pois em nenhum dia tinha visto alguém da segurança, então estaria tranquilo, ERRADO. De longe eu ouvi uma música indiana vindo em nossa direção, era o celular de um dos seguranças; antes que chegasse onde estávamos, nós nos separamos e fomos para lados opostos. Dei a má sorte de passar pelo segurança, que deu a volta me seguiu. Ela, estava me esperando no deck 9 e quando me viu veio falar comigo, tentei impedir, mas ele já tinha percebido tudo.
Sem nametag, parte do uniforme na mão, em área de passageiro, se envolvendo com uma passageira, isso só significava uma coisa: DESEMBARQUE.

O segurança indiano, nunca se mostrou tão amistoso, até pegava no pé do William de vez em quando. Ele me perguntou o que eu achava que estava fazendo, eu sempre dizia que não sabia de nada, me perguntou há quanto tempo estava a bordo. Informei que faziam cerca de vinte dias e era o meu primeiro contrato. Ele gritou perguntando se eu queria ser desembarcado nessas condições, em tão poucos dias a bordo. A última coisa que queria era ser desembarcado, ainda mais com somente vinte dias a bordo. Pedi milhares de desculpas e disse que não sabia das regras em relação às passageiras. Gritando, ele me mandou descer diretamente pra minha cabine, não demorei um minuto. Estava muito nervoso, mas agradecendo por não ter acontecido o pior.

Após cinco minutos na cabine, a espanhola me ligou, perguntando o que havia acontecido e dizendo que ele fora falar com ela perguntando diversas coisas, mas como ela nada devia, simplesmente ignorou. Deste dia em diante, prometi pra mim mesmo que não me envolveria mais com passageira alguma. Continuamos nos falando nos últimos dias e no dia de desembarque em Savona, ela veio se despedir de mim, chorando, me entregou um papel com um desenho que havia feito (desenhava muito bem) e os contatos, ela viria ao porto de Barcelona em outras vezes pra me ver, mas nunca conseguimos nos ver novamente. Foram dias diferentes e intensos, no que se tornou um cruzeiro completamente fora do normal.

Depois desse grande susto, eu me voltei mais pra o trabalho e tentando não fazer mais besteira nenhuma, pois o segurança ainda me olhava torto. Com o passar dos dias me sentia mais a vontade a bordo, fazendo vários amigos e me dando bem com os supervisores a cada dia que passava.

Veja Também:
Siga nossos perfis nas redes sociais:

Quer reservar acomodação para a viagem? Dá uma olhada nas opções clicando abaixo:



Booking.com

UM ANO DE VIAGEM: assista ao nosso vídeo comemorativo

Bruno Miguel
Já morei numa casa de lata flutuante onde o maior prazer era descobrir os sete mares. Trabalhei nos maiores eventos esportivos do mundo e vi o Bolt voando para mais um ouro no Rio de Janeiro. Hoje viajo o mundo sem data de volta para casa, na verdade, tenho chamado o mundo de minha casa. Não conto quantos países conheci pelo número de carimbos no passaporte, pois às vezes conheço dez países dentro de um só. Mergulhador e amante do oceano, amo aprender novos idiomas e coisas novas e escrevo sobre algumas das minhas aventuras no Na Proa da Vida.
http://www.naproadavida.com/

Leave a Reply

Top