Você está aqui
Home > Fatos e Relatos > Crônicas de Bordo: A festa da Independência Indiana

Crônicas de Bordo: A festa da Independência Indiana

festa indiana Mágica
Já completamente acostumado com a rotina a bordo. Eu tinha uma companhia amorosa, que querendo ou não fazia a diferença a bordo, tinha ótimos amigos, pessoas que realmente me animavam a bordo e me faziam querer tranquilamente terminar o contrato a bordo do Costa Mediterranea.


Há quase dois meses a bordo, já tinha se passado tanta coisa, que pareciam dois anos ou até mais. Estávamos no mês de agosto e teria a famosa festa da independência indiana, todos a conheciam como a melhor festa a bordo. Os indianos preparavam comidas típicas, tiravam as roupas indianas do armário, e faziam questão de convidar à todos ao Crew Mess e depois para a festa, que seria no Crew Bar.

A namorada do meu supervisor Poojary, era uma austríaca apaixonada pela cultura indiana e ajudou em quase tudo nos preparativos, fazia as maquiagens em quem tinha vontade de pintar a cara e até mesmo cozinhou alguns pratos típicos.

No dia da festa os indianos estavam eufóricos, e nós não víamos a hora de acabar o expediente para curtir a festa. O dia passou bem rápido, muito mais que o normal, à noite fomos ao Crew Mess provar as comidas típicas com muito curry indiano, o que era uma novidade pra mim, aquele monte de comida indiana bem picante.

med - festa indiana
Áustria, Índia, China e Brasil

Depois da comilança, veio a festa. O Dj era o de sempre, um indiano do bar, mas a música, a música era totalmente diferente; os indianos estavam possuídos pela música indiana que explodia no pequeno Crew Bar, era realmente diferente de todas as festas que eu já tinha visto. O Jhonata e eu resolvemos entrar na brincadeira, mais como “zoeira” do que pelo sentido da festa. Os indianos acharam tão engraçado o fato de ver dois brasileiros tentando fazer a mesma dança deles que, ao invés de se ofenderem, se juntaram a nós, virando uma bagunça de passos errados, e em questão de poucos minutos a pista estava cheia de outros gringos dançando com a gente. Eu que já estava com o pé em más condições, tomei um pisão no dedo machucado e tive que encostar por uns minutos, mas a energia da festa não me deixava sentir tantas dores. E quando a festa estava chegando ao fim por conta do horário do Crew Bar (que nós já havíamos estendido em uma hora) um pequeno grupo de brasileiros se formou querendo mais festa, e como sempre tinha uma continuação em algum lugar, a minha cabine foi a da vez, já que o William estava junto, não teve problema nenhum; éramos sete pessoas e umas poucas garrafas de vinho. No meio, uma brasileira, que até então não rolava nada, mas acabou sendo a última pessoa a sair da cabine na manhã seguinte, mas essa história fica a bordo somente.




med - crew bar - festa indiana
Brasil, Itália e China
Alguns dizem que a dança dos indianos é mais ou menos assim:

 

No dia seguinte, todos estavam extremamente cansados, mas empolgados com a festa da noite passada. Os brasileiros tiveram a idéia de fazer a festa da Independência do Brasil, que seria comemorada duas semanas depois, pensando na mesma linha da indiana, com comida típica e muita música. Éramos um grupo pequeno de brasileiros, mas tínhamos em mente que todos amam o Brasil e a música brasileira, que sempre tocava a bordo. Os preparativos começavam dali, as ideias do que fazer e de como seria, vinham do nosso pequeno grupo, sem esquecer que o budget era menor.

festa indiana Mágica1
Fotos: Isabella Scatulino (Costa Mágica)
Veja também:

 

Siga nossos perfis nas redes sociais:

Quer reservar acomodação para a viagem? Dá uma olhada nas opções clicando abaixo:



Booking.com

UM ANO DE VIAGEM: assista ao nosso vídeo comemorativo

Bruno Miguel
Já morei numa casa de lata flutuante onde o maior prazer era descobrir os sete mares. Trabalhei nos maiores eventos esportivos do mundo e vi o Bolt voando para mais um ouro no Rio de Janeiro. Hoje viajo o mundo sem data de volta para casa, na verdade, tenho chamado o mundo de minha casa. Não conto quantos países conheci pelo número de carimbos no passaporte, pois às vezes conheço dez países dentro de um só. Mergulhador e amante do oceano, amo aprender novos idiomas e coisas novas e escrevo sobre algumas das minhas aventuras no Na Proa da Vida.
http://www.naproadavida.com/

Leave a Reply

Top