Você está aqui
Home > Fatos e Relatos > Quando o cabin mate é transferido, mas não é! FAIL (William transferido #SQN)

Quando o cabin mate é transferido, mas não é! FAIL (William transferido #SQN)

crew bar - mediterranea

 
A vida a bordo é cheia de surpresas…

Boas ou ruins, temos surpresas quase todos os dias. Para um tripulante no primeiro contrato, uma grande surpresa pode ser a notícia de um transfer, esteja o tripulante satisfeito ou não, gostando do navio, das pessoas, do trabalho ou não. Uma transferência é sempre a certeza de que algo novo está por vir.


Estávamos completando dois meses a bordo, quando o William, que havia embarcado comigo e era meu cabin mate, recebeu a notícia de que seria transferido para o Costa Serena no final do cruzeiro, em Savona. A princípio, ele gostou da notícia da transferência, pois sempre reclamava que não gostava do Mediterranea, que os chefes não iam com a cara dele e tudo mais.

Embarque em Savona - William e Julio - Costa Cruzeiros
Dia do embarque no Costa Mediterranea: Eu, Júlio e William.
Eu estava perdendo um amigo, e um ótimo cabin mate. De verdade, se meu cabin mate fosse outro eu não teria feito metade das coisas que fiz, nem sempre se encontra um cabin mate parceiro.
Nós sabíamos que todo mundo seria transferido em algum momento, e a brincadeira de transfers havia começado. O William passou o cruzeiro todo tranquilo e trabalhando de boa, aproveitou para conhecer melhor os lugares que atracávamos, chegou até a pegar uma excursão que ia de Ashdod para Jerusalém, Israel. Na Crew Party daquele cruzeiro, ele tentou curtir como se fosse a melhor festa de todas.

No dia do transfer dele, eu estava trabalhando pela manhã, ele foi até o buffet, nos despedimos rapidamente e ele se foi, rumo ao seu novo navio. Eu não fazia ideia de como seria com um novo cabin mate, já que sempre ouvia alguém reclamando dos seus.


À tarde, andando pelo Deck 0, encontrei o William puto da vida com alguma coisa que havia acontecido. Eu achei muito estranho, pois a essa hora, a gangway dos dois navios estavam fechando. Perguntei o que ele ainda estava fazendo lá, e ele bufando, falou que haviam cancelado o transfer dele do nada, quando ele estava na gangway, pronto pra sair. Simplesmente o disseram que aquele não era o dia e que teria de aguardar uma nova data de transfer, se isso acontecesse mesmo. Logo, eu pensei que ele voltaria a dividir a cabine comigo, já que nada havia mudado. Pensei errado. Eles o tinham colocado em uma outra cabine, quase que no fundo do navio, e na minha cabine, um indonésio que também estava no primeiro contrato.

Rolê em Cádiz, Espanha - Costa Mediterranea
Costa Mediterranea no porto de Valência, Espanha.
Com o passar dos dias, nós vimos que a troca foi a pior coisa que poderia ter acontecido, porque a cabine em que colocaram o William, era a pior do navio, ficava em cima das máquinas que faziam barulho e estava cada vez mais alagando, com uma água que ninguém sabia de onde vinha, e o meu cabin mate indonésio, era um mala! Ele nunca saía da cabine, não ia ao bar, não ficava muito tempo no Crew Mess, não saía para conhecer os lugares e pior, os nossos horários eram quase os mesmos, consequentemente, ele nunca me deixava sozinho na cabine, mesmo que eu pedisse.
A situação da cabine do William durou por mais dois cruzeiros, entrando água e com um cheiro e barulho infernais, e eu com um mala na cabine, que nem na minha última noite a bordo, me deixou ficar sozinho. Até que fomos finalmente transferidos para o Costa Serena, com os problemas da Débora, de transfer e no mesmo cruzeiro que a mãe dela veio a bordo

Veja Também:

Siga nossos perfis nas redes sociais:

Quer reservar acomodação para a viagem? Dá uma olhada nas opções clicando abaixo:



Booking.com

UM ANO DE VIAGEM: assista ao nosso vídeo comemorativo

Bruno Miguel
Já morei numa casa de lata flutuante onde o maior prazer era descobrir os sete mares. Trabalhei nos maiores eventos esportivos do mundo e vi o Bolt voando para mais um ouro no Rio de Janeiro. Hoje viajo o mundo sem data de volta para casa, na verdade, tenho chamado o mundo de minha casa. Não conto quantos países conheci pelo número de carimbos no passaporte, pois às vezes conheço dez países dentro de um só. Mergulhador e amante do oceano, amo aprender novos idiomas e coisas novas e escrevo sobre algumas das minhas aventuras no Na Proa da Vida.
http://www.naproadavida.com/

Leave a Reply

Top