Você está aqui
Home > Trabalho em Navios > Costa Serena: Dois cruzeiros para o crossing e os embarques surpresas

Costa Serena: Dois cruzeiros para o crossing e os embarques surpresas

Navio de Cruzeiros em Savona, porto principal da Costa Cruzeiros | Foto: Green Turtle
Navio de Cruzeiros em Savona, porto principal da Costa Cruzeiros | Foto: Green Turtle
Mais um cruzeiro acabava, mais um monte de brasileiros chegaria e mais uma vez eu rezava para que ninguém entrasse na minha cabine, era muito bom poder ficar sozinho.



Já fazia muito frio e ventava bastante em Savona, as montanhas já começavam a ficar com o topo branco, com um pouco da neve que já caía lá em cima, era um sacrifício chegar até o Green Turtle, mas o pior mesmo era ter que ir até o Tucano Bar, mesmo sabendo que a recompensa seria das melhores.

Em mais um domingo de muitos embarques e desembarques, encontrei uma amiga do Cruise Ships, que estava no Costa Victoria e agora faria a temporada brasileira no Serena. Vários brasileiros haviam embarcado naquele dia, para vários departamentos.

Leia também: Port Manning: Saiba como funciona, como mudar e o que fazer durante

Com o Jhonata, sempre fazíamos a brincadeira de ir até o Training Office, para ver as novidades que haviam embarcado, e aquele dia uma Snack Steward, chamou a atenção de todo mundo, a Karen, loirinha dos olhos azuis.
No buffet, conversei um pouco com os novos brasileiros, e a Karen falou um pouco do que já havia passado no contrato dela. Ela havia sido transferida do Pacífica, onde havia deixado um namorado também brasileiro, mas dizia que já se conformava com o fim do namoro, pois era quase impossível e certeza que ele não viria para o Serena.

Na terceira noite de cruzeiro, o Crew Bar estava lotado depois de um longo dia at sea. Eu já não sabia mais o que era passar uma noite sem ir ao bar, mesmo que fosse pra tomar só uma DAB. A atração eram os novos brasileiros, e claro a Karen estava no meio. Aquele momento parecia uma prévia do que seria o crew bar, dali pra frente na temporada brasileira. Foi ficando mais tarde, e só sobraram os mais dispostos e duas meninas. O Jhonata, propôs uma Cabin Party, já que o cabin mate dele trabalhava durante a noite e a cabine ficava livre, e então todos foram para a cabine, com algumas garrafas de vinho que tínhamos guardadas, todos já estavam meio alterados, e todos estavam ali pelo mesmo motivo.




Na pequena cabine, eram cerca de sete homens e as meninas, em que toda a atenção ia pra Karen. Conversa vai, conversa vem, já estava tarde e os caras foram desistindo e abandonando a festa, até que no final sobramos Jhonata, Karen e eu, todos já bêbados.

Eu já estava quase indo embora, de tão cansado, quando o Jhonata, que era meu melhor amigo a bordo, entrou no banheiro. Não sei como, mas foi o tempo perfeito. Quando o Jhonata saiu, eu estava beijando ela e a cara dele foi a mais engraçada do mundo, continuamos conversando até que eu e ela fomos para a minha cabine, que não tinha NENHUM cabin mate pra encher o saco. Estávamos tão bêbados que foi chegar na cabine e capotar, pois ela ainda falava do namorado no outro navio.

Nós não queríamos nos envolver, mas a Karen era uma boa companhia. Durante os breaks, nos encontrávamos pra trocar uma ideia e falar das brisas da vida a bordo, e mesmo com resistência e tudo mais, nós ficamos algumas vezes, umas bêbados, outras bem sóbrios.

Como faltavam dois cruzeiros para o crossing, eu continuava torcendo pra que ninguém viesse pra minha cabine. Aproveitávamos todos os últimos domingos para ir no Tucano comer a coxinha ou feijoada, pois poderia ser a última vez ali, e mesmo que estivéssemos indo rumo ao Brasil, sentiríamos falta.

Quer reservar acomodação para a viagem? Dá uma olhada nas opções clicando abaixo:



Booking.com

UM ANO DE VIAGEM: assista ao nosso vídeo comemorativo

Bruno Miguel
Já morei numa casa de lata flutuante onde o maior prazer era descobrir os sete mares. Trabalhei nos maiores eventos esportivos do mundo e vi o Bolt voando para mais um ouro no Rio de Janeiro. Hoje viajo o mundo sem data de volta para casa, na verdade, tenho chamado o mundo de minha casa. Não conto quantos países conheci pelo número de carimbos no passaporte, pois às vezes conheço dez países dentro de um só. Mergulhador e amante do oceano, amo aprender novos idiomas e coisas novas e escrevo sobre algumas das minhas aventuras no Na Proa da Vida.
http://www.naproadavida.com/

Leave a Reply

Top