Dois meses a bordo do Costa Serena, excursão para Roma e fim do caso relâmpago

Home » Trabalho em Navios » Dois meses a bordo do Costa Serena, excursão para Roma e fim do caso relâmpago

Atualizado em Feb 17, 2021

Por: Bruno

Atualizado em Feb 17, 2021

Por: Bruno

Depois de dois meses a bordo do Costa Serena e com a temporada brasileira se aproximando, o número de brasileiros aumentando a cada vez que passávamos por Savona. Os gringos começavam a nos tratar de uma forma diferente, respeitavam mais que o normal e se aproximavam mais. Faziam algumas perguntas, que às vezes parecia que na mente deles, o navio estava realmente a caminho da selva, onde as pessoas usam arco e flecha para caçar, matam pessoas para comer a carne e etc.

Eu estava cada vez mais enturmado com os tripulantes, não tinha motivos para reclamar de nada, estava curtindo a vida de trainee no restaurante, os passageiros eram muito legais e o Crew Bar estava cada vez melhor.

A brasileira também estava fazendo training, então ficava difícil de nos vermos, pois depois do training ela ia arrumar a linha dela no buffet e, quando era muito tarde, não nos víamos.

Costa Serena_Crew (2) Dois meses a bordo.

Galera indo pra uma cabin party após festa na piscina

Dois meses a bordo do Costa Serena e a excursão do Capelano

No próximo Civitavecchia teria excursão do Capelano para Roma, e eu já havia pedido o lunch off para a Michelle. Visitaria Roma pela segunda vez, e dessa vez, a maioria dos amigos poderia ir também.

Em dia de excursão deveríamos estar de pé bem cedo, para sair assim que o navio atracasse e aproveitar o dia ao máximo. Entre os amigos que iam a excursão estavam o pessoal do buffet e mais uma galera de outros departamentos, a brasileira também estava.

Em Roma, desta vez de ônibus, queríamos conhecer melhor um pouco de tudo que já havia visto e, se desse, conhecer outros pontos da cidade. Estava frio, bem diferente da primeira vez com a Débora e a mãe dela.
Roma - Coliseu. Dois meses a bordo

O Coliseu de Roma, Itália

Nós tínhamos que andar sempre com o pessoal da excursão, mas na frente do Vaticano tinha uma fila tão grande e tão lenta, que decidimos ir para o Coliseu. Passamos nas lojas próximas à praça São Pedro para comprar souvenir e pedir informação, já praticando o italiano. Visitamos tudo de ônibus, como eu havia feito da vez anterior. Chegamos rápido ao Coliseu e a fila também estava enorme, infelizmente não daria tempo de entrar. Ficamos um tempo por ali e voltamos andando ao lado do Foro Romano, onde compramos blusas de Roma com aquelas estampas de “I <3 Roma”. Voltamos de táxi para o Vaticano, ponto de encontro para todos, e estava uma chuva imensa, o mundo caía sobre a Praça de São Pedro.

Voltando ao navio no ônibus, a brasileira veio do meu lado e, conversando, percebi que ela falava de nós como se tivéssemos algo sério, mas os dois sabiam que isso não ia acontecer. Chegando no navio, estávamos na hora de trabalhar quase. Foi o tempo de ela ir na minha cabine, ficarmos juntos por 20 minutos e subir para o buffet. E essa foi a última vez que ficamos realmente juntos.

Costa Serena_restaurante_panoramic

Panorâmica do restaurante – Costa Serena

Dois meses a bordo do Costa Serena e o término com a brasileira

Os dias se passaram e por conta do trabalho e training, quase não nos víamos, eu a procurava menos e ela fazia o mesmo. Alguns diziam que o maitre PH estava querendo algo com ela, outros diziam que eles estavam juntos, eu não sabia no que acreditar, mas não me importava tanto. Após uma semana desse jeito, nós percebemos que não estávamos mais juntos e simplesmente não procuramos mais um ao outro. O Roni, que tinha algum interesse nela, veio me perguntar como estávamos, eu disse que não estávamos e ela estava livre.
Depois disso foi um rolo. Ele dizia pra gente que estava com ela, outros diziam que não, ela dizia que não, outros que ela estava com o maitre PH, só sabia-se de uma coisa: o povo fala demais. A única coisa que eu tinha certeza, é de que eu estava novamente sozinho.

Logo em seguida destes acontecimentos, tive uma boa surpresa: o Pong estava saindo da cabine. Ele não me avisou, eu vi as coisas dele arrumadas mas não sabia quando ele iria.

Em um dia de embarque em Savona, cheguei pela manhã na cabine, após trabalhar no café da manhã, e as coisas dele não estavam mais lá, ele não avisou, não falou nada. Achei bom, mas tive certeza que ele não avisou pois, se alguém chegasse, eu não pegaria a cama de baixo, que é tão cobiçada por todos e fica sempre para os mais antigos na cabine. Rapidamente mudei minhas coisas para baixo e saí para comer uma feijoada no Tucano Bar e comprar créditos no Green Turtle Savona.

Dois meses a bordo
Com o navio saindo de Savona, vi que tive muita sorte, pois ninguém havia embarcado na minha cabine e eu teria pelo menos um cruzeiro de privacidade e solidão na minha cabine, até porque estava “solteiro” de novo.

Mais três cruzeiros e iniciaríamos o crossing para a América do Sul, e eu rezava para que ninguém entrasse na cabine até lá.  

E aí, gostou das dicas? E como foi a sua experiência trabalhando em navio de cruzeiros? Conta pra gente aqui nos comentários! Se quiser ver mais fotos ou vídeos sobre a vida a bordo e outros países como Europa e Sudeste Asiático, siga as nossas redes sociais: Instagram, Facebook, Pinterest e YouTube.

Você também pode se interessar:

Na Proa da Vida - mini logo npv

Que tal compartilhar?

Indo para a Tailândia?

Conheça os melhores passeios para a sua viagem. Guias, fotógrafos e atendimento em português.

Somos Bruno & Vic, dois viajantes que se conheceram e se apaixonaram trabalhando a bordo de um navio de cruzeiros. Em 2016, saímos em uma viagem ao mundo e, desde então, levamos a nossa vida na estrada. Entre caronas, voluntariados e trabalhos online compartilhamos nossas inúmeras experiências e pouco dessa vida nômade aqui no Blog Na Proa da Vida, veja mais

Planeje sua viagem

seguro viagem

hotéis

chip de internet

trabalho voluntário

passeios & ingressos

transporte pela ásia

Veja mais sobre o mesmo assunto:

Nota: este post pode conter links de parceiros do blog Na Proa da Vida. Isso significa que ao comprar um de seus produtos você estará ajudando na manutenção do nosso blog e do conteúdo de qualidade produzido para você. Não se preocupe, você não paga nadica de nada a mais por isso e ainda nos motiva a conseguir descontos exclusivos, em diversos serviços, para os leitores do Na Proa da Vida. Saiba mais.

Publicado em: Atualizado em Feb 17, 2021
i
Categorias: Trabalho em Navios
<a href="https://www.naproadavida.com/" target="_blank">Bruno</a>
Bruno
Já morei numa casa de lata flutuante onde o maior prazer era descobrir os sete mares. Trabalhei nos maiores eventos esportivos do mundo e vi o Bolt voando para mais um ouro no Rio de Janeiro. Hoje viajo o mundo sem data de volta para casa, na verdade, tenho chamado o mundo de minha casa. Não conto quantos países conheci pelo número de carimbos no passaporte, pois às vezes conheço dez países dentro de um só. Mergulhador e amante do oceano, amo aprender novos idiomas e coisas novas e escrevo sobre algumas das minhas aventuras no Na Proa da Vida.

Pode ser interessante para a sua viagem

E aí, que tal deixar um comentário? ?

0 Comments

Deixe seu comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *