Você está aqui
Home > Destinos > MonkeyNap Hostel – A nossa primeira hospedagem na Ásia

MonkeyNap Hostel – A nossa primeira hospedagem na Ásia

monkey-nap-hostel-bangkok
Parede linda na entrada do Hostel




 

Quando saímos do Brasil rumo a Ásia, a única coisa que queríamos ter garantida era um lugar para ficar já na chegada em Bangkok, pois o resto conseguiríamos por lá. Precisaríamos pagar somente três dias de hospedagem, pois nas semanas seguintes, ficaríamos hospedados na Thong Tos Foundation, onde faríamos um trabalho voluntário ensinando inglês para crianças tailandesas.

Na Proa da Vida - mini logo npv

Procurando um lugar para ficar

Após muito tempo de pesquisa em vários sites de busca de hotéis e hostels na Ásia, resolvemos voltar toda a nossa atenção para os hostels que estavam no Agoda, pois eram os que apresentavam os melhores preços se comparado com os outros sites de buscas, como o Booking.com, por exemplo.

Nós queríamos um hostel que fosse bem localizado, limpo, tivesse boas recomendações e comentários nos sites e principalmente, que fosse barato. Depois de algumas horas olhando os sites e fazendo todas as outras mil coisas do planejamento da viagem, nós tínhamos dois hostels que queríamos muito ficar, pelo preço e pelos bons comentários nos sites.

Os hostels que vimos foram o Hide Bangkok Hostel e o MoneyNap Hostel, e tínhamos que decidir entre estes dois.

monkeynap-hostel-bangkok1

Área comum junto da recepção

A escolha do hostel

Por fim, decidimos ficar no MonkeyNap Hostel por alguns motivos: a localização é muito boa, o valor para um quarto “privado” com cama de casal é bem acessível e eles fornecem uma coisa que é raridade na maioria dos hostels que vimos até o momento na Ásia: Café da manhã. Estes já eram motivos de sobra para nos hospedarmos lá, mesmo que por apenas três dias. A localização do Hide Bangkok é boa também, mas não melhor que a do MonkeyNap e eles ainda não fornecem café da manhã, o que é um ponto negativo para quem quer economizar na viagem, como nós.

Os nossos dias no MonkeyNap Hostel

Nossa viagem até Bangkok foi muito tranquila, foram 24 horas de viagem desde São Paulo, mas a sensação foi de que realmente levamos dois dias para chegar, pois saímos no dia 12 à noite e chegamos no dia 14 de Outubro (ainda era dia 13 no Brasil), pela manhã. Do aeroporto para o MonkeyNap Hostel foi muito tranquilo também. Existem as opções de táxi, tuk-tuk e Uber, porém, nós preferimos pegar o transporte público pois não estávamos tão cansados assim e queríamos ter um primeiro contato com a vida de Bangkok.

Airport Rail Link e BTS

Nós pegamos o Airport Rail Link que sai do aeroporto e leva até o centro da cidade, onde existem diversas conexões para os outros cantos da cidade. Descemos na estação Phaya Thai e de lá pegamos um BTS (Skytrain) que ia até a estação Phrom Pong, a mais próxima do hostel. Da estação Phrom Pong, andamos por uns cinco minutos e chegamos no hostel. O trajeto todo durou uns 45 minutos desde o aeroporto.

Veja aqui o nosso vídeo com informações sobre o aeroporto e Rail Link

 

Na Proa da Vida - mini logo npv

Momento difícil na Tailândia: A morte do rei Bhumibol Adulyadej

Nós chegamos em um momento histórico e triste para o país. O rei Bhumibol, que havia governado a Tailândia por mais de 70 anos, acabara de falecer e o país estava tomado por uma onda de tristeza. O rei morreu no dia 13, enquanto voávamos a caminho. É um momento triste para os tailandeses, mas isso nos ajudou a ver como eles são um povo solidário e o quanto a religião (o Budismo) os torna pessoas diferentes e amáveis. Abaixo, dois posts com um pouco do que foram esses primeiros dias em Bangkok:

Na Proa da Vida - mini logo npv

O horário de check-in no hostel é a partir das 14h, mas nós chegamos por volta das 11h da manhã e ficamos esperando na recepção. A Sandy, recepcionista do hostel, foi muito gente boa e nos ofereceu café, e pediu para que aguardássemos, pois, os quartos estavam sendo limpos. Pedimos para tomar um banho enquanto o quarto ficava pronto mas não deu tempo, antes mesmo de tomarmos aquele banho sonhado, eles conseguiram arrumar o quarto. Entramos, deixamos as mochilas, tomamos um banho rápido e saímos para comer.

100 Million Reviews 468x60

A Localização

O MonkeyNap está em uma área ótima da cidade. Nós visitamos a maioria das atrações a pé ou de transporte público, pois o transito de Bangkok é uma loucura. Localizado na Sukhumvit, uma das principais avenidas, é possível chegar facilmente ao Terminal 21, Chatuchak Weekend Market, às regiões de Siam, Silom e Khao San Road, a rua dos mochileiros que fica próxima ao Grand Palace. Tudo isso é possível conhecer andando ou usando o BTS.

Reserve a sua estadia no MonkeyNap Hostel:

  • Compare os preços no Agoda (o site que usamos para reservas na Ásia) e o Booking.com.

 

O quarto “privado”

No Monkey Nap não tem quarto totalmente privado, os quartos que eles consideram privados são com duas camas de casal em forma de beliche, ou seja, nós estávamos em um quarto com cama de casal, mas tinha outra cama na parte de cima, onde duas meninas vietnamitas dormiam.

Nós já sabíamos disso quando reservamos o hostel e gostamos dessa forma de ter um quarto privado, pois eles colocaram persianas em cada cama e, quando fechamos, parecia que não tinha ninguém no quarto. A cama é bem grande e nós pudemos colocar as mochilas de um lado, enquanto dormíamos do outro. O ar condicionado é muito bom e salvou as nossas vidas nas noites quentes de Bangkok.

Monkey Nap Hostel em Bangkok
Nossa bagunça na cama espaçosa com as mochilas do lado direito

Limpeza e outras facilidades

O hostel é muito limpo! A Kun, senhora que cuida dessa parte por lá, não deixava nada ficar sujo. Para nós foi ótimo, pois seguindo a tradição tailandesa, os calçados devem ficar fora da casa e pisar em um lugar sujo e depois deitar na cama, não seria agradável.

A internet funciona muito bem. Como não compramos um chip logo na chegada, carregávamos os mapas e o que precisasse no wi-fi de lá, e depois saíamos pra rua.

No banheiro tem secador de cabelo, e eles fornecem também shampoo e sabonete para o banho.

monkey-nap-hostel-em-bangkok
Uma parte do banheiro com secador de cabelo 🙂

O café da manhã

Como havíamos lido nos “reviews”, o café da manhã do MonkeyNap é bem simples, mas era o suficiente para termos uma boa primeira refeição e sair para conhecer a cidade. Normalmente nós comíamos pão (torrada) com manteiga ou um biscoitinho que eles tinham lá (muito bom 😛 ) e tomávamos café ou chocolate quente.

monkey-nap-hostel-em-bangkok
Kun, a tailandesa que acaba virando mãe de todos que passam por lá.

O Staff

As pessoas que trabalham no hostel são demais (como na maioria dos hostels que já ficamos). O staff é divido entre tailandeses e filipinos e foi com eles que eu aprendi as primeiras palavras em tailandês. A Sandy e o Dax são das Filipinas e foram as pessoas que tivemos mais contatos, e as primeiras conversas em relação à Tailândia e Ásia, no geral. E tinha também a Kun, senhora tailandesa que volta e meia me ensinava uma palavra nova em Thai e até nos deu o Longkong (fruta tailandesa) para provar, veja o vídeo abaixo:

Conclusões e Informações úteis:

O hostel é muito bom e nós voltaríamos com certeza. Nós recomendamos pela boa localização e preço. O staff é muito atencioso, os filipinos não conheciam muito da cidade, mas isso não os impediu de nos dar as melhores dicas de transporte e etc. O café da manhã é justo pelo preço que é pago na diária.

Valor da diária para o casal (em Novembro/16): USD 11,85 (dólares)
Horário de Funcionamento (Recepção): 24h
Check-in e Checkout: In às 14h | Out: Meio-dia (12h)
Estação de BTS mais próxima: Phrom Phong

monkey-nap-hostel-em-bangkok
Letreiro luminoso na entrada no hostel


Reserve a sua estadia no MonkeyNap Hostel:

  • Compare os preços no Agoda (o site que usamos para reservas na Ásia) e o Booking.com.

 

Outros hostels que conhecemos durante a estadia em Bangkok ou que gostaríamos de ficar hospedados:

The Cube Hostel – Esse é um dos mais legais e bem localizado. Com as camas em forma de cubo, você te um pouco mais de privacidade e algumas facilidades instaladas na parede do cubo, permitem que você coloque seus pertences sem problemas.

Matchbox Hostel Bangkok – Com camas parecidas com as do The Cube, o Matchbox nos encantou enquanto pesquisávamos hostels por lá. Com paredes coloridas e um ambiente legal, nos faz querer ficar por lá quando voltarmos a Bangkok.

HI Baan Dinso – Este foi eleito o melhor hostel do mundo pela Hostelling International. É uma casa linda que segue a linha das casas tailandesas, composta de somente 9 quartos, e uma decoração maravilhosa. Servem comida típica da Tailândia e melhor, tem café da manhã. 😛

Once Again – Nós passamos em frente ao Once Again e achamos muito legal. O ambiente é bem acolhedor e um espaço bem amplo e bonito. Esse era o hostel que queríamos trabalhar quando estávamos procurando trabalho voluntário em Bangkok, pelo Worldpackers.

Immjai Hostel – Esse é BBB. Bonito, Barato e Bem Localizado. Vale a pena para quem quer ficar próximo ao Grand Palace e ao Rio Chao Phraya, mas não quer o agito e barulho da Khao San Road.

Rambuttri Village Hotel – Como o próprio nome já diz, é um hotel e não um hostel, mas gostaríamos de ficar nele pois está localizado na Rambuttri Road, que fica do lado da Khao San Road, e vários amigos nossos que ficaram por lá curtiram bastante. E olha, tem piscina! 😀

D&D Inn – Esse também é hotel e fica BEM na Khao San Road. Andando por lá, você facilmente vê os letreiros luminosos do hotel. Tem uma piscina no terraço e está bem localizado. Mas atenção: se você não quer barulho ou o agito das noite de Bangkok, este não é o lugar ideal para você.

E aí, você já ficou em algum desses ou acabou de reservar sua estadia por lá? Conta pra gente aqui nos comentários, adoramos saber das experiências dos nossos leitores.

Siga nossos perfis nas redes sociais:
Bruno Miguel

Já morei numa casa de lata flutuante onde o maior prazer era descobrir os sete mares. Trabalhei nos maiores eventos esportivos do mundo e vi o Bolt voando para mais um ouro no Rio de Janeiro. Hoje viajo o mundo sem data de volta para casa, na verdade, tenho chamado o mundo de minha casa. Não conto quantos países conheci pelo número de carimbos no passaporte, pois às vezes conheço dez países dentro de um só. Mergulhador e amante do oceano, amo aprender novos idiomas e coisas novas e escrevo sobre algumas das minhas aventuras no Na Proa da Vida.

http://www.naproadavida.com/

Leave a Reply

Top