Você está aqui
Home > Destinos > Meus primeiros dias na Tailândia. Por: Victória Farina

Meus primeiros dias na Tailândia. Por: Victória Farina

Templo Bangkok
Vista para o Grand Palace no por do sol de nosso segundo dia em Bangkok

(Post escrito no dia 16 de Outubro de 2016)

Hoje é nosso terceiro dia aqui e não tinha como estar melhor. Como nós dois temos o mesmo ritmo e objetivo na viagem, estamos nos dando super bem com o planejado não planejado da viagem. Escrevi um resuminho dos ocorridos para guardar na memória esses primeiros três dias de mudança radical de país, continente e, pelo que parece, MUNDO:


Dia 1: Sobre a viagem GRU > AUH > BKK

Nossa viagem foi muito boa. Eu (Victória) dormi para caramba hahaha como sempre. O Bruno assistiu “Procurando Dori”, jogou “Street Fighter”, ouviu a playlist toda de músicas indianas e fez muitas outras coisas. Nós comemos MUITO bem nos dois voos, sério. Na primeira refeição eu pedi Lamb (cordeiro) e não estava muito bom (muito doce e apimentado), ai só comi pão e a sobremesa. No próximo decidi ser mais tradicional e pedi frango. UAL, que delícia. Toda vez que eu abria o olho tinha uma aeromoça vindo com alguma coisa: chá, muffin, jantar, almoço, lanche da tarde… incrível. Etihad rocks 🙂

Nossa chegada em Bangkok

Depois de praticamente 24 horas de voo e 3 dias em trânsito, finalmente estávamos na tão sonhada TAILÂNDIA. A gente não conseguia parar de falar: “Meu, sabe onde estamos? EM BANGKOK! BANGKOK! TAILÂNDIA!” hahahaha era uma felicidade sem igual. Trocamos um pouco de dinheiro e, mesmo tendo o caminho para o MonkeyNap Hostel no tablet, fingimos não saber de nada para pedir informação. Primeira surpresa: os tailandeses são incríveis. Um senhor do balcão de informações nos mostrou tudo no mapa e nos deu as direções dentro do aeroporto, tudo isso na maneira mais gentil do mundo.
O “Airport Railway” (tipo um metrô) é dentro do aeroporto, o que é super master incrível se comparado a diversos aeroportos do mundo. O sistema é maravilhoso, os vagões são super tecnológicos e limpos e as pessoas novamente surpreenderam pela gentileza e alegria em todos os momentos. Chegamos super bem e, apesar de pensar que ia sofrer com as mochilas super pesadas, o que me pegou mais forte foi o calor. MY GOD! Eu, toda linda de calça jeans chegando na TAILÂNDIA. Quase morri de calor andando na rua. De resto, foi ótimo.

Até agora não senti UMA situação de perigo. Aqui as pessoas são super da paz e, claro que estamos sendo prevenidos, mas aquele medinho inicial perdeu todo o sentido.

Para chegar no hostel, pegamos o “Airport Railway” e um BTS e depois andamos por uns 900 metros até achar o nosso lindo hostel (Trecho demorou mais ou menos 1 hora e, que bom, com ar condicionado nos dois transportes). Eu estava tão ansiosa de ver se o hostel, tão barato, era tudo isso mesmo que estava nas fotos e nas recomendações e, de novo, me surpreendi! O hostel é lindo lindo, os recepcionistas são master atenciosos e é SUPER LIMPO, muito mesmo!


Como tínhamos dormido muito no avião, chegamos no maior pique e, não sei como, FOME. Pedimos informação para a recepcionista que nos recomendou um shopping na mesma rua principal que estamos hospedados, a Sukhumvit. O nome do shopping é Terminal 21 e é um shopping como todos os outros do mundo haha Ficamos escolhendo o restaurante, pelo preço e pela comida e escolhemos um que se chamava Pepper Lunch. Vou falar a verdade, a comida estava bem ruim hahaha pelo preço, então, hahaha pior ainda. A comida na Tailândia geralmente custa de 2 a 4 dólares, se você come barato. Neste lugar pagamos cerca de 11 dólares (384 bahts) e não consegui comer nem metade do meu prato. Pedi frango, ovo e salada. O frango estava cru, a salada estava MASTER apimentada, o ovo com uma cara péssima e o milho estava estranho. Como a comida veio num rechaud, consegui “passar” um pouco o frango e ai comi frango e arroz (delícia #sqn hahahaha). O Bruno, mais aventureiro, pediu uma comida com frango mais apimentada e adorou. Sorte dele 😛 As atendentes não falavam uma palavra de inglês e, além de nos atender super bem, não paravam de sorrir um segundo. Incrível isso aqui, sério.

Pepper lunch
Meu almoço no restaurante Pepper lunch, no Shopping Terminal 21

Depois da comida bateu um sono imenso e um cansaço sem igual. Passamos pelo parque chamado Benjasiri Park e voltamos nos arrastando pro hostel, tomamos o segundo banho em menos de 5 horas e dormimos das 18h até as 4h da manhã.

Eu morta de sono no Benjasiri Park, Bangkok
Eu morta de sono no Benjasiri Park, Bangkok
Dia 2: Visita ao Grand Palace e experiência incrível com os ocorridos depois da morte do Rei da Tailândia

Acordamos praticamente juntos, sem sono nenhum e começamos a mexer no celular, atualizar as coisas e nos entreter com algo (para a chefa morrer de orgulho, deu até vontade de trabalhar mas meu computador estava no armário em outro quarto, ai nem deu 🙂 hahaha).

Dormimos mais algumas horinhas e acordamos umas 7 horas, com a arrumação do café da manhã do hostel começando. Tomamos o café da manhã super simples do hostel (aprendi a fazer leite em pó com a tailandesa do hostel, foi TÃO engraçado hahahaha) e ficamos enrolando um pouco para não sair tão cedo. Trabalhei (li todos os meus 85 emails de ter ficado de day off pela semana toda), mexi no Facebook, Whatsapp e li algumas coisas sobre Bangkok. Quando deu umas 9h, tomamos banho e, com as incrições impressas pela recepcionista do hostel, fomos para o Grand Palace.

Não sei se vocês sabem, mas o rei da Tailândia morreu essa semana e, por isto, várias coisas estão fechadas por aqui. O Grand Palace, lugar em que o corpo do rei vai ficar por pelo menos um ano, estava LOTADO de tailandeses fazendo fila para entrar. Foi uma coisa impressionante ver milhares de tailandeses fazendo fila num calor insuportável, todos de preto e com rostos tristes, porém sempre super bem educados e gentis.

Bangkok luto

Como não somos tailandeses não podemos entrar no Grand Palace para turismo. Isto não estava realmente nos nossos planos então, só ficamos em volta vendo as coisas que estavam acontecendo. Que incrível! A generosidade dos tailandeses é impressionante. Nós, turistas, estávamos andando (de preto, em respeito), pelos arredores e recebíamos água, comida, bebidas super geladas, lenços umedecidos para aguentar o calor, balas, dentre outras muitas coisas que eles estavam oferecendo, com o sorriso no rosto e super felizes de ajudar. Ficamos impressionados com a amabilidade e sensibilidade das Fundações pensarem que as pessoas que estavam perto do Grand Palace podiam precisar de alimentação e cuidado, mesmo podendo comprar todos estes itens nas lojas ao redor.


Nosso dia foi inteirinho observando. Andávamos um pouco, sentávamos e simplesmente curtíamos o momento. Mais para o fim da tarde, estávamos andando e percebemos uma movimentação diferente: todas as pessoas estavam, do nada, sentando no chão. Nós perguntamos para um tailandês que nos disse “Maybe they are tired” (Talvez eles estão cansados), mas sabíamos que algo a mais estava acontecendo. Ficamos olhando para todos os lados e BUM, vimos a nossa salvação: um casal que parecia super turista e que podia nos ajudar. Nós perguntamos e eles sabiam menos ainda que a gente mas perguntaram para os tailandeses em volta que nos disseram “The Family of the king is coming”. Dai, entendemos que a família real ia passar pelas ruas principais de Bangkok e, em sinal de respeito, todos se abaixam.

Ficamos conversando com o casal americano e com os tailandeses em volta por muito tempo. Política, futebol, comida e mais um pouco de política foram os assuntos principais. Foi incrível porque, neste meio tempo, recebemos mais garrafas de água, comida, bolinhos e outras coisas. A história do casal é bem doida: eles viajam usando Couchsurfing e gastando o mínimo possível e imaginável por dia. Para sobreviver e custear os gastos, eles fazem pulseiras e vendem nas ruas. Eles se interessaram muito quando falamos da nossa experiência com o Worldpackers e disseram que gostaria de fazer algum dia.

Bruno com o time de resgate e o casal de americanos que conhecemos neste dia
Bruno com o time de resgate e o casal de americanos que conhecemos neste dia

Depois da longa e super interessante conversa com os americanos e tailandeses, saímos andando na rua e descobrimos um complexo de templos chamado “Bangkok City Pillar Shrine” que é lindíssimo! Andamos, tiramos bastante foto e conversamos com uma tailandesa incrível. Fico triste até hoje de pensar que não pegamos contato dela 🙁

Shrine Temple
Bangkok City Pillar Shrine

Depois de visitar os templos, andamos até a Khao San Road (Khao San Load, em tailandês 🙂 hahahaha) e ficamos por ali um pouco. A rua é realmente totalmente turística, cheia de restaurantes, lojas e turistas, MUITOS turistas. O Bruno, como sempre, conversou com cada vendedor de rua que tentava vender algo para ele e, depois disso, como já estávamos cansados, começamos a perguntar como seria possível voltar para o hostel em que estávamos, em Sukhumvit.

Reserve sua hospedagem em Bangkok antecipadamente e com o melhor preço

Na ida, nós pegamos o BTS e depois pegamos o Express Boat até chegar ao Grand Palace, mas na volta descobrimos que o melhor caminho era pegar ou taxi ou tuk tuk até o BTS (400 baht de tuk tuk + 42×2 de BTS) ou pegar um ônibus que parava na nossa rua (9×2 bahts). O ônibus ia demorar mais mas, como tínhamos tempo e a economia ia ser grande, resolvemos arriscar.


MY GOD, como aquele ônibus demorou! hahaha Ficamos pelo menos 30 minutos sentados no ponto de ônibus sem nenhum carro, caminhão, taxi, tuk tuk ou anything passar. Achamos super estranho e, depois de um tempo, percebemos que a Família Real ainda estava andando pela cidade e várias ruas estavam paradas. ÓTIMO 🙂 Não ia fazer diferença nenhuma mesmo esperar no taxi ou no ponto de ônibus, além da economia 😀 Assim que pegamos o ônibus a corrida demorou cerca de meia hora e, assim que chegamos no hostel tomamos banho e capotamos mortos morridos na cama hahahaha.

Bom, estes foram os nossos dois primeiros dias em Bangkok e, temos que dizer, estamos ADORANDO cada segundo. Aqui tudo é muito diferente e interessante. Não estou conseguindo gostar muito da comida mas, mesmo assim, estou fazendo um esforço para provar tudo que aparece na minha frente. Já experimentei “Longkong” (uma fruta, SIM, uma fruta. Para quem me conhece e não acredita que EU, Victória Farina, comi uma fruta, veja o vídeo no YouTube clicando aqui), além de vários outros pratos…

Vamos escrevendo aos poucos sobre nossos dias, nossas impressões sobre a Tailândia e muito mais em breve 😀

Veja Também:

Siga nossos perfis nas redes sociais:

Victória Farina
Victória Farina
Nascida em São Paulo, estudou Lazer e Turismo (USP) e tem no DNA a palavra viagem. É muito organizada, mas se perde totalmente quando o assunto é mapa ou localização. Ama dar dicas de viagens e contar as experiências que já viveu. Já visitou mais de 30 países e, agora, está viajando pelo Sudeste Asiático, num mochilão que já dura um ano.
http://www.naproadavida.com/

7 thoughts on “Meus primeiros dias na Tailândia. Por: Victória Farina

  1. Oi vitoria estou adorando suas postagens vou para Tailândia dia 09/02 vou ficar 13 dias vc pode colocar o valor dos passeios para eu ter uma base. O hostel que vc esta ,estou super perdida e uma viagem muito longa e da um frio na barriga

    1. Ola Kelly! Que delicia, programar a viagem é uma das coisas que eu mais gosto. Então, diga-me o seu roteiro (quantos dias e cidades vai conhecer) para que, assim, eu possa te ajudar melhor. Assim que sairmos de Bangkok, nossa primeira cidade, eu vou fazer um post sobre os nossos gastos daqui e acho que isso vai te ajudar bastante. O mais interessante para você fazer agora é pesquisar o custo da sua viagem antecipadamente. Como você faz isto? Procura em sites o valor das coisas, por exemplo, das atrações que você com certeza irá, do preço médio de um almoço, de uma janta, de água e dos transportes. Assim, você pode estabelecer um custo médio e saberá mais ou menos quanto vai gastar. Pesquisando isso você já vai estar pesquisando um pouco mais sobre as atrações e pode fazer um roteiro mais preciso. Se quiser me perguntar mais algo, por favor, não se acanhe 🙂 Eu AMO falar sobre planejamento de viagem! Beijinhos

      ps: um site incrivelmente bom que pode te ajudar a fazer esta pesquisa é o http://www.priceoftravel.com/34/thailand/bangkok-prices
      Me fale o que achou dele!

  2. Oi Vitoria vou chegar dia 10 as 13:00 em Bangkok dia 14 vou para puket pq a passagem para la e mais barata que krabi e ficarei 7 dias nas ilhas não sei se furmo uma ou duas noites em puket ou se ja vou direto para phi phi do .Vi um outro blog da menina indicando ficar em puket e so fazer os passeios para ilha porque em puket tem mais opção de comida e hospedagem mais barato que phi phi o que acha???
    Em bangkok pensei em ficar no hotel Paragon na San Roud. Ou me indica algum outro??

    1. Olá Kelly, tudo bom? Ta chegando a hora :DD Que animação !! Então, Bangkok é a nossa primeira cidade mas, conversando com uma inglesa que está morando com a gente e já visitou todas as ilhas, ela me disse que sim, em termos de gastos, Phuket é a melhor opção. Mas ela me disse que você não precisa necessariamente se alojar em Phuket e que pode ficar cada noite em uma ilha e, assim, você não gasta tanto com transporte.
      Sobre o hostel em Bangkok, nos nossos primeiros dias ficamos no Monkey Nap e SUPER RECOMENDAMOS! Segue o link que fizemos a reserva: http://bit.ly/MonkeyNap_ago
      O Monkey Nap é super bem localizado (perto do BTS que dá para andar pela cidade toda, tem ponto de ônibus perto) e é impressionantemente limpo.
      Escolha ficar ou na Khao San Road (preços um pouco mais caros), na Soi Rambuttri (bem perto da Khao San mas é menos agitada, com comidas mais em conta) ou na Sukhumvit (que é a rua do hostel que recomendamos.
      Se quiser ver preços de outros hotéis, segue o link com uma seleção por preço: https://goo.gl/C8V0UW

      Qualquer dúvida escreve para nós, ok? BOA VIAGEM!

  3. Oi vitoria desculpa ficar te bombardeando de perguntas e que são muitas duvidas kkkk.
    Em Bangkok reservei o Hotel Paragon Residence na Khao san.Eu vi que dependendo da ilha o hotel ou hostel são mais caros.Voce acha que eu gastaria mais com transporte do que com hospedagem??
    So não queria ter que ficar carregando mochila para todo lado talvez seja muito incomodo ja que vai ser a primeira vez que viajo assim tendo que mudar de lugar varias vezes.

    1. Kelly, sem problemas. Desculpe demorar para responder mas nós aqui realmente não conseguimos nos dedicar 100% ao blog 🙁
      Então, com certeza será um incômodo ficar mudando de hotel todo dia mas acho melhor você fazer uma simulação para ter noção de valores.
      Sobre os valores das ferries de Phuket, pesquisa aqui que esse site é ótimo : http://www.phuketferry.com/
      Beijos e boa viagem!!!! Você vai adorar a Tailândia, aqui é demais

Leave a Reply

Top
Close